3. Catarina Nunes

[et_pb_section admin_label=”section” transparent_background=”off” background_color=”#ffffff” allow_player_pause=”off” inner_shadow=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” padding_mobile=”off” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” make_equal=”off” use_custom_gutter=”off” custom_padding=”||200px|”][et_pb_row admin_label=”row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” custom_padding=”||30px|” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” column_padding_mobile=”on”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”3. Catarina Nunes” saved_tabs=”all” text_font=”Arial||||” text_line_height_last_edited=”off|desktop” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” background_layout=”light” text_orientation=”left” text_line_height=”1.6em” text_font_size=”44″]

3. Catarina Nunes

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”VÍDEO” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” custom_padding=”50px|||” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_text admin_label=”PEÇA+LOJA” saved_tabs=”all” text_font=”Arial||||” text_line_height_last_edited=”off|desktop” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” background_layout=”light” text_orientation=”left” text_line_height=”1.6em” text_font_size=”18″ custom_padding=”40px|||”]

“Kodama II –
Sound Installation”
Monteiro Decoração

[/et_pb_text][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”text” global_module=”1001″ saved_tabs=”advanced,css” max_width=”780px” text_font=”Arial||||” text_font_size=”18″ text_font_size_phone=”14″ text_font_size_last_edited=”on|tablet” text_line_height=”1.6em” text_line_height_last_edited=”on|desktop” background_color=”rgba(255,224,30,0)” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_padding=”40px|||” background_layout=”light” text_orientation=”left”]

Catarina Nunes nasceu em Luanda, em 1978, repartiu a sua formação entre a licenciatura “Design – Tecnologia Cerâmica” pela ESAD-CR, e o mestrado de “Cerâmica Contemporânea” na Tama ArtUniversity, Tóquio com uma bolsa do Monbukagakusho. Estudou ainda “Design
de Cerâmica e Vidro” na University of Central University of Central England, Birmingham.
No seu desenvolvimento artístico dedicou grande parte do processo criativo à pesquisa
e compreensão das possibilidades físicas e de significação do material cerâmico. 
No caminho percorrido no Japão surgiu uma nova relação com o mundo. O estudo da cerimónia do chá, intrinsecamente relacionado com a filosofia Zen e o Wabi-Sabi, abriram portas à colocação
de questões relacionadas com a confrontação e aceitação da efemeridade da matéria escultórica.
As suas instalações exploram cenários de relação conceptual e física entre o corpo humano
e a escultura cerâmica. Por vezes é colocada a questão da dessacralização do objecto de arte, através da facilitação intencional da escultura. Nestas ocasiões é permitida a interacção entre
a obra de arte e o público: como uma experiência individual, quando o público toca directamente na obra de arte, ou partilhada, quando as peças são tocadas por outros performers e apresentadas através da documentação em vídeo ou fotografia.
Durante muito tempo a sua inspiração estética prendia-se a uma sensibilidade aquática já que passou grande parte da vida perto da costa ou em vários contextos insulares (Açores, Japão, Inglaterra). Recentemente, em residência artística, percorreu o Deserto da Namíbia, onde surge uma nova ramificação exploratória que conduz a sua inspiração para o vento, a aridez,
e as superfícies rochosas.
Foi expondo regularmente desde 1998 em exposições colectivas e individuais onde se destacam: 2016 “Arte próxima” CCAM de Catalunya (Barcelona), 2015 “Tulipamwe” Namibia National Art Galery , 2014 Bienal de Artes Plásticas de Coruche e “Flumen” Museu de Coruche (Portugal), 2009 Bienal Experimenta Design, 2006 “Efémero” e “Cem títulos” Setagaya Art Gallery (Tokyo), 2006 Aichi Prefectural Ceramic Museum (Japão), 2005 Bienal de cerâmica Manises (Espanha).
Nos seus projectos pessoais e profissionais tem vindo a explorar as áreas da escultura,
da instalação e da educação pela arte.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]