8. Thomas Mendonça

[et_pb_section admin_label=”section” transparent_background=”off” background_color=”#ffffff” allow_player_pause=”off” inner_shadow=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” padding_mobile=”off” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” make_equal=”off” use_custom_gutter=”off” custom_padding=”||200px|”][et_pb_row admin_label=”row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” custom_padding=”||30px|” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” column_padding_mobile=”on”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”8. Thomas Mendonça” saved_tabs=”all” text_font=”Arial||||” text_line_height_last_edited=”off|desktop” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” background_layout=”light” text_orientation=”left” text_line_height=”1.6em” text_font_size=”44″]

8. Thomas Mendonça

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”row”][et_pb_column type=”4_4″][et_pb_text admin_label=”VÍDEO” background_layout=”light” text_orientation=”left” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid”]

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label=”Row” make_fullwidth=”off” use_custom_width=”off” width_unit=”on” use_custom_gutter=”off” custom_padding=”50px|||” padding_mobile=”off” allow_player_pause=”off” parallax=”off” parallax_method=”off” make_equal=”off” parallax_1=”off” parallax_method_1=”off” parallax_2=”off” parallax_method_2=”off” column_padding_mobile=”on”][et_pb_column type=”1_4″][et_pb_text admin_label=”PEÇA+LOJA” saved_tabs=”all” text_font=”Arial||||” text_line_height_last_edited=”off|desktop” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” background_layout=”light” text_orientation=”left” text_line_height=”1.6em” text_font_size=”18″ custom_padding=”40px|||”]

“Porífero Precioso”
Formen

[/et_pb_text][/et_pb_column][et_pb_column type=”3_4″][et_pb_text admin_label=”text” global_module=”1001″ saved_tabs=”advanced,css” max_width=”780px” text_font=”Arial||||” text_font_size=”18″ text_font_size_phone=”14″ text_font_size_last_edited=”on|tablet” text_line_height=”1.6em” text_line_height_last_edited=”on|desktop” background_color=”rgba(255,224,30,0)” use_border_color=”off” border_color=”#ffffff” border_style=”solid” custom_padding=”40px|||” background_layout=”light” text_orientation=”left”]

Thomas Mendonça (b.1991, França), artista plástico licenciado pela ESAD.Cr, trabalha e reside em Lisboa. Os seus focos de interesse distribuem-se entre melodramas sentimentais, pop culture e a beleza da singularidade icónica no geral. A sua produção manifesta-se através de variadas tecnologias, embora com maior ênfase no desenho e na cerâmica.


“Poríferos Preciosos”

Estas peças são a representação dos poríferos recolhidos entre o oceano de amoníaco em Tritão, os vários mares subterrâneos de Ganímedes, Encélado, Titã e Mimas, um possível rio
de nitrogénio em Plutão, e os lagos sólidos de Ceres, Calisto e Europa. Elas são a tentativa concretizada de dar corpo à mistura entre os poríferos que por aqui conhecemos e aquilo que
eu imagino quando penso num mar gasoso na outra ponta do sistema solar. Fazem a ponte entre
as influências formais que colho nos campos de corais e o luxo que é poder fantasiar – sem medo – acerca do (quase) desconhecido. Por falar em luxo, estes poríferos não são feitos
de pedras preciosas e nada do que neles reluz é ouro, a sua preciosidade reside-lhe nas entranhas. Como nos meninos mais gentis, onde o interior conta acima de tudo, são os seus corações que melhor deverão ser preservados.
Todos estes animais que parecem calhaus – nem sempre providos de olhos – carregam em
si os meus sentimentos mais profundos, ainda que por vezes relativamente superficiais, dependendo da melodia de cada dia. As palavras inscritas nos seus interiores surgem com
o intuito de potenciar um fascínio de outra natureza para além do possível fascínio estético. Condicionando a sua visibilidade, estas podem muito facilmente passar despercebidas. Tudo isto ganha um sentido ainda mais profundo quando se trata de uma peça cujo interior é totalmente inacessível ao olhar e onde estas inscrições acabam por estar presentes sem propriamente existirem, uma vez que nunca se deixam revelar.
Creio profundamente na relação intimista que este jogo especulativo – acerca daquilo que poderá ou não conter uma determinada peça – estabelece entre o espectador e a peça em questão. Alimento essa relação pois agrada-me a ideia que terceiros possam descarregar
os seus próprios sentimentos e/ou inscrever mentalmente as suas próprias palavras no interior
de cada uma delas.

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]